livros personalizados

Atenção escritores: poetas, contistas, cronistas fazemos edições personalizadas com tiragem numerada. Venham conhecer nosso trabalho. Contato: sollpp@gmail.com

9.4.08

Livro de artista - A página violada



A página violada:
da ternura à injúria na construção
do livro de artista

Paulo Silveira

18 x 25 cm, 320 páginas, 2001.
Ilustrado a cores.
ISBN 85-7025-585-3

Financiado pelo Fumproarte/Secretaria Municipal de Cultura de Porto Alegre.


A obra examina a instauração da categoria do livro de artista (incluindo o livro-objeto) a partir dos trabalhos de alguns de seus principais pesquisadores e da análise de obras de artistas nacionais e internacionais. O livro de artista é um produto da arte contemporânea, construído deliberadamente a partir de um suporte preexistente, o livro, que é o seu protótipo, e ao qual louva ou faz contraposição crítica. A página e a estrutura podem ser enaltecidas ou sofrer todas as possibilidades de injúria e objeção, até alcançarem o estatuto da escultura e abandonarem a condição objetiva de livro. O autor propõe que as gradações percebidas não só podem como devem ser instrumentos da conceitualização e caracterização da obra e da categoria na qual ela se insere, desde certos exemplares do livro ilustrado até todo e qualquer livro-objeto. São apresentadas cerca de duzentas obras através de mais de seiscentas imagens, que também incluem eventos e documentos, a maioria delas coloridas e originais para este trabalho.

A publicação do livro contou com financiamento da Secretaria Municipal de Cultura de Porto Alegre, através do Fumproarte, Fundo Municipal de Apoio à Produção Artística e Cultural.



Texto das orelhas


A categoria artística que reúne o livro de artista e o livro-objeto foi construída no século 20 da relação mútua entre artistas e teóricos, e de ambos com a herança das conformações preexistentes do livro comum e de suas variações. A página violada: da ternura à injúria na construção do livro de artista, de Paulo Silveira, estuda a designação unificadora “livros de artista”, a partir de um exame da identidade dessa produção e de seus conflitos.

Na arte que se expressa através ou por causa do livro, a busca de rupturas aos modelos ou a apropriação de conformações consagradas geram problemas plásticos particulares. São produtos ora totalmente textuais, ora ágrafos, variando desde pequenos folhetos até cepos e tijolos. A página violada introduz, assim, dois problemas formadores (ou conformadores) do livro de artista: a crítica das configurações físicas estabelecidas e a crítica do ato da leitura. A categoria é composta por um grande, variado e algumas vezes agressivo conjunto de obras, que freqüentemente tematizam sua condição, exercitando o comentário de sua própria identidade e de sua circunstância.

Paulo Silveira relativisa a pressuposição de que trabalhos pertencentes a uma mesma categoria devam possuir extrema similitude. Pelos seus insumos materiais e pela sua variedade temática, ela é uma categoria mestiça, instaurada a posteriori a partir da apropriação de objetos gráficos de leitura. A sua imprecisão de limites deve ser aceita como uma bem-vinda característica.

A maioria dos trabalhos comentados é produto dos anos 90, de preços acessíveis e fáceis de adquirir, mas também foi considerada parte da produção anterior, já abrigada em museus e coleções, estabelecendo, assim, uma relação com alguns de seus predecessores. O estudo é acompanhado de ilustrações com obras brasileiras e internacionais, na sua maioria reproduzidas pela primeira vez em estudos brasileiros. O texto também é seguido de entrevistas e de referências bibliográficas parcialmente comentadas, oferecendo ao leitor caminhos para a continuidade de sua própria curiosidade, buscando a cumplicidade ao fetiche do livro artístico.

Um comentário:

Claudia disse...

Adoro seu blog...tento seguir sempre.Abraços!